O endereço, os números de celulares e computadores que foram utilizados ao longo dos anos, os amigos atuais e os do passado, o Facebook conhece todos esses dados e muito mais de seus usuários.

Para onde eles viajaram, que gostos musicais têm e até as coisas que são compradas, mas para esta rede social todas essas informações não parecem ser suficientes, porque o Facebook quer saber mais.

A vida bancária pode integrar a rede social

Ao que parece a empresa de Mark Zuckerberg quer conhecer os dados bancários de seus usuários, quanto dinheiro eles têm no banco, as movimentações dos cartões de crédito.

De acordo com as últimas noticias, a companhia para obter isso contatou, até onde se sabe, os principais bancos dos Estados Unidos, como JP Morgan, Wells Fargo, Citi ou U.S. Banco, com quem estaria negociando para obter dados de clientes desses bancos com contas na plataforma de Mark Zuckerberg.

A informação foi publicada pelo jornal americano The Wall Street Jornal. No artigo, asseguram que um desses bancos, embora não indique quais, teriam concluído as conversas com o Facebook devido a preocupação com a privacidade dos dados de seus clientes.

Dados bancários para oferta de serviços

Em resposta a matéria do jornal, o Facebook pediu calma e afirmou que a intenção da empresa é apenas oferecer mais serviços aos usuários.

O recente artigo no Wall Street Jornal acusou o Facebook erroneamente de pedir a empresas financeiras uma transação de dados – não é verdade, foi o que disse a porta-voz do Facebook.

A representante reitera que a empresa não pretende coletar dados e apenas vai usar a informação para melhorar a publicidade da rede social. Da mesma forma que muitas empresas de Internet têm parceria com bancos para oferecer serviços como chats para clientes ou gestão de contas.

O que o porta-voz do Facebook se refere com essas declarações é o que o aplicativo de bate-papo do Messenger faz a ponte entre os usuários e suas contas bancárias, podendo verificar seu saldo ou despesas com o chatbot.

Algo semelhante já acontece em Cingapura, onde os clientes do Citibank podem se conectar com o representante desse banco através do Messenger. Além disso, a empresa do PayPal também estaria trabalhando com o Facebook para enviar recibos de compra para esse bate-papo.

A empresa também argumenta que parte dessas companhias financeiras primeiro contatou o Facebook e não o contrário, como sugere o artigo do Wall Street Jornal.

O fato é que no último ano a reputação da rede social ficou baixa graças ao escândalo do Cambridge Analytica que fez com que muitos usuários deixassem suas contas e procurassem por redes sociais alternativas que protegessem melhor seus dados.

Outras empresas como Amazon e Google também tentaram trabalhar em estreita colaboração com o setor bancário para obter informações financeiras de usuários e oferecer publicidade personalizada através de serviços como o Google ou Alexa Assitant.

Uma tendência que pode causar problemas sérios, embora os usuários tenham o direito de se recusarem a troca essas informações.

O Facebook quer que os bancos compartilhem informações sobre seus clientes
Avalie esse Post

Saiba Mais